Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Senhora Dança? A Mandy pelas danças da vida.

Um blog para todas as mulheres depois dos “entas” . Mulheres que, na plenitude das suas vidas, desejam celebrar a liberdade de assumirem a sua idade, as suas rugas, os seus cabelos brancos e que querem ser felizes

A Senhora Dança? A Mandy pelas danças da vida.

Seg | 25.09.17

O AMOR COM CABELOS BRANCOS

A maturidade traz-nos muitas coisas boas. A sabedoria adquirida com as experiências vividas permite a construção de relações a partir de bases diferentes, outros interesses, descobertas inesperadas… relações mais leves, saudáveis. Em suma, uma fonte de boas emoções.Numa fase da vida em que já apostámos, já nos decepcionámos, chorámos, tentámos algumas vezes, acertámos umas e errámos outras, toda essa bagagem está à nossa disposição para fazer, deste momento, algo (...)
Dom | 10.09.17

50 anos. Cheguei à meia idade. E agora ? Estarei em crise ?

Estava, animadamente, a ler um artigo numa revista, quando viro a página e, em letras garrafais, lá estava escarrapachado:Os 50 anos e a “crise da meia idade”Hiperventilei. Parecia o Titanic a bater no iceberg. A minha rica cabeça deu um nó.Se me dissessem que aquele termo, “meia idade”, me iria incomodar tanto, jamais acreditaria. Mas, incomodou. Estava ali, preto no branco: 50 anos. Meia idade Mas o que foi que aconteceu ? Como é que cheguei aqui, à meia idade. E, a partir (...)
Qua | 06.09.17

As/os "sexalescentes"

Se estivermos atentos, podemos notar que está a surgir uma nova faixa social, a das pessoas que estão em torno dos sessenta/setenta anos de idade, os “sexalescentes” – é a geração que rejeita a palavra "sexagenário", porque simplesmente não está nos seus planos deixar-se envelhecer. Trata-se de uma verdadeira novidade demográfica - parecida com a que, em meados do século XX, se deu com a consciência da idade da adolescência, que deu identidade a uma massa jovens (...)
Qui | 17.08.17

A geração que derrubou estereótipos sobre o amor depois dos 60

Apesar do cepticismo de muitos, a idade , realmente, não é um empecilho para se encontrar um amor. Neste artigo, da jornalista Viviane Bevilacqua, publicado na revista Donna, vai poder ler um depoimento de pessoas que, depois dos 60 anos, tiveram uma segunda – ou terceira – chance e retomaram a sua vida amorosa com parceiros, normalmente encontrados – ou reencontrados – através da internet, como o caso de Leonardo e Lúcia.Leonardo Petry e Lúcia Pesca tiveram um namorico de (...)